sábado, 31 de outubro de 2020

Às vezes acho que há gente que acha que vem aqui para aprender coisas, quando devia ser evidente, para qualquer pessoa com a dose necessária ainda que não suficiente de inteligência que, primeiro, aqui não se aprende nada, segundo...espera, não há segundo.

Gustavo Carona

Tenho muitos momentos de dúvida - de fúria, também - sobre a forma como gerimos regras e comportamentos neste momento de desorientação para onde a pandemia nos atirou sem pedir licença. O tempo - muito - que passo de máscara, em trabalho, começa a fazer estragos (ao nível da minha paciência, etc) e preferia não ser obrigada a usá-la. Menos ainda, na rua. Já me senti mais confortável com a forma como as entidades ditas responsáveis têm lidado com a coisa, da Directora Geral da Saúde ao Presidente Marcelo e - apesar de achar que pode ser grande a tentação, de repudiar as manobras de bastidores de António Costa e outros que tal e de pensar que só os mais ingénuos podem acreditar piamente na pureza e inocência dos agentes políticos - continuo a considerar completamente absurda a ideia de que o Governo tem um plano tenebroso para ensaiar, à custa da pandemia, uma tentativa de nos sequestrar.

Vem isto a propósito do vídeo publicado por um médico de Matosinhos. Talvez valha a pena ouvir, já que se ouve tanta gente que percebe tanto do assunto como eu. Ou ainda menos.

Se conduzir...

... não beba. E se quiser manter a decência, não tuite. O Twitter também deve causar uma espécie de embriaguez, mas, com uma agravante terrível: não fica apenas entre amigos e deixa um rasto ainda mais difícil de limpar.

Cara Ana Gomes, não havia necessidade. E olhe que até gosto de si e até pensei o mesmo, quando vi a notícia. Mas eu não sou candidata à Presidência da República e não tenho twitter, e a menina não é o Rui Pinto a mandar umas bocas merecidas ao doutor Júdice. 




sexta-feira, 30 de outubro de 2020

 

Conta-me que a professora de artes visuais diz que não há essa coisa de não saber desenhar. Que toda a gente sabe desenhar. Que o desenho mais não é do que a reprodução no papel da nossa interpretação daquilo que vemos, e que os outros é que poderão olhar de forma diferente para aquilo que desenhamos.

Rimo-nos as duas, com alívio. Pela falta de jeito de ambas. Da minha, principalmente, incapaz que sou de reproduzir entre traços e telas o que quer que veja, mesmo que o que vejo me consuma todos os sentidos.

 

A propósito da conversa, voltei a lembrar-me do homem do café. O que arrancava histórias aos restos enegrecidos que sobravam no fundo da chávena branca que ele tombava, antes, sobre o pires, enquanto eu observava, pasmada, como o pincel fino ia ganhando vida na sua mão. E como, com essa vida, erguia gente entre rabiscos marron escuro e compunha cenários improváveis, materializando nas folhas brancas do pequeno caderno de argolas um pedaço de mundo que, um momento antes, apenas ele era capaz de adivinhar. Como assim, não há isso de não saber desenhar?

Não é que não perceba a outra arte, a da interpretação. Se é que se lhe pode chamar arte. Acho que é o me faz pasmar, também, sob um tecto pintado, uma catedral, um mosteiro encantado sobre uma ilha rochosa, um arco em ogiva perfeita, uma harmonia de cores, um desassossego de traços, a imponência de uma escultura, o verde dos prados a perder de vista, os gessos pintados, a capela de Miguel Ângelo, toda ela, o seu Juízo Final, e todos os versos de Gedeão, do vinho, espuma e fermento, ao contraponto, sinfonia, máscara grega, magia, das bebedeiras de azul à cisão do átomo, uma explosão de vontades entre toques de alquimia.

 

E a propósito de talentos, um dia destes parei no The Voice e deixei-me ficar por lá, uns momentos. Normalmente, presto pouca atenção a programas televisivos da categoria reality-qualquer coisa. Por nenhum motivo especial, a não ser que não aprecio o género e não suporto ver gente a ser humilhada mesmo se a favor de todas as vontades, inclusive a sua. E, por decisão própria, excluo da categoria de programas aquelas coisas tipo Big Brother e as que misturam amores de agricultores mais as mães e outros apensos, os respectivos casamentos e outras salgalhadas do género – serão raros momentos de qualidade televisiva e vasto interesse social, e eu serei qualquer outra coisa esquisita que me queiram chamar, se for necessário fazer alguma justiça ao assunto. Adiante. No The Voice. Havia uma espécie de compilação de melhores momentos, não sei bem, não cheguei a confirmar. Fiquei só a ouvir. A qualidade de alguma gente que por ali aparece, sujeita à avaliação de uma outra gente que, por vezes, se deve contorcer na cadeira, juro, entre o espanto e o embaraço!

A dada altura, alguém cantou Pedro Abrunhosa, “Eu não sei quem te perdeu”. Eu não sei se há quem consiga ouvir o Pedro cantar aquilo sem uma ameaça de arrebatamento; eu não consigo. Mesmo sabendo que o Pedro não canta e, seguramente, não encanta por aí além. Pouco importa. Se fechar os olhos e me deixar guiar, posso render-me àquele abismo, despedaçar-me, ser dona do Céu. Do Inferno, também.

  


Entretanto, ouvi qualquer coisa sobre o Orçamento. E birras infantis, descomunais. E sobre as ondas na Nazaré e uma multidão ávida de pretextos para resgatar o que nos vai sobrando de vida. A desfaçatez desta gente! Por que não terão comprado, antes, um bilhete para ir a Portimão, assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1? Além de parvos, pobres. Fossem, ao menos, inteligentes e ouvissem o que diz o Governo e o senhor Presidente da República, mais as sábias orientações para os próximos dias. Não se pode transitar entre concelhos e ponto. A menos que se tenha bilhetes para o teatro, que se seja turista estrangeiro em trânsito para o hotel, que se leve as crianças à escola e os pais ao centro de dia, que se vá trabalhar, sob compromisso de honra, entregar os filhos ao outro progenitor, regressar a casa se se esteve longe e se se esteve perto também. Enfim, mais ou menos tudo que não implique uma visita aos cemitérios para honrar os nossos mortos. Não deve ser difícil. Afinal, já (quase?) nos habituámos a ver morrer sozinhos aqueles que mais amamos, sem tempo nem lugar a despedidas; tudo a bem de voltar a ver ficar tudo bem.

 

E em França, o horror voltou a cobrar a sua vingança. Mais morte e outra decapitação, às mãos de outro louco prenhe de ódio. Nice volta a ser palco da barbárie, poucos dias depois de Paris e do assassínio do professor Samuel Paty. Poucos dias antes, eventualmente, de um outro qualquer acto tresloucado, demoníaco. E nada disto faz sentido.

Por falar em Mal, aproxima-se o dia das eleições presidenciais nos EUA. A Besta pode assumir várias formas, é preciso não esquecer. Estamos, todos!, sob ameaça e tem pouco a ver com a pandemia. Ainda assim, sobra-me pouca paciência para os idiotas da liberdade de não usar máscara porque sim, mais os não-sei-quê pela verdade e os especialistas paridos em série e em directo em todos os meios de comunicação social. A sério? Quando tudo arde à nossa volta?


Vou voltar ao café. E ao riso despreocupado, por momentos. Menos do que demora o beijo da canção, enquanto aproveito para abraçar parte do meu tempo, também.

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Ouch!!

 

Já o disse e mantenho: Rui Pinto não é um anjinho e cometeu crimes; até que, por algum motivo que seria bom e útil apurar, resolveu dar outra utilidade à informação que encontrou. Ou vasculhou, ou perseguiu: não "tanto faz", é certo, um crime não deixa de ser um crime; mas o que não se pode fazer é passar uma borracha no assunto, condenando o pirata informático e escondendo debaixo do tapete - ou lá como é que se diz em linguagem informática, que sou bastante analfabeta também aí - todas as outras trapalhadas, principalmente, as chiques.

No caso de Júdice, espanta-me sempre como é que alguém que se esforça tanto - todas as semanas, em horário nobre, num canal que se quer (quer?) de referência - em publicitar a sua agudeza intelectual, profissional e afins, nunca tenha sido capaz de desconfiar das manhas de Santos, Salgados e outros quejandos. Tal qual como os que acham normal que um ex-primeiro-ministro possa viver entre luxos  que não pode pagar, mas que suporta com a caridade abnegada e estapafúrdia de um grande amigo. Tudo boa gente, inocentíssima até prova em contrário, prova essa que, muitas vezes, entre adendas, adiamentos e aditamentos, recursos, férias judiciais generosas, vírgulas para bom entendedor e prescrições de prazo e de juízo, nunca verá a luz do dia. Pelo menos, pela via legal. É um problema, num Estado de Direito, abrir uma porta que não seja a da cela a alguém como Rui Pinto? É. Talvez. Mas, problema maior é parecer haver pouca ou nenhuma vontade em limpar o mofo. E os ladrões são como os chapéus: há muitos, não é? Não são é todos palermas. E eu estava a ser irónica, ali há umas linhas acima, caso houvesse alguma dúvida.

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Entre (boas) memórias

 

Há um casal magnífico, com a filha, imagino, os dois vestidos de cores vibrantes como o compasso soprado das ondas. Ele leva um turbante exuberante, em tons de lilás e vermelho, o mesmo vermelho que ela exibe nas tranças que lhe caem pelas costas onde a bebé repousa num marsúpio verde, matizado, em contraste com o vestido branco, amoroso, de mangas curtas, de folhos. Ela de corpete preto, de renda, e saia comprida, azul do mar que admira, manchada de rosas a meia perna e um debrum laranja, a remate, radiante como um pôr-do-sol. Ele veste uma túnica igualmente negra e umas calças de estilo tribal, largas, de amplas cornucópias douradas sobre um fundo violeta-escuro. O sol aquece com ardor, e ela abre uma sombrinha, de rebordo picotado, espalhando a usual estampa colorida de elefantes da Índia, enquanto ele se apressa a ajudar, tomando-lha das mãos para abrigar a menina da inclemência do meio-dia. Param por um breve instante, para logo seguir caminho, os três, um caleidoscópio assimétrico, igualmente belo, dando cor e forma à melodia que o mar não se cansa de tocar.

 

Era um outro tempo, não muito distante, em que as crianças não tinham receio de se deitar no chão, de se sujar e brincar, as mãos e a cara coladas no mármore para espreitar, pasmadas, a magia daquele capricho de engenharia, conduzindo notas que nunca se cansam, pautas que nunca se esgotam.

 

A minha amiga fotografou-os. Ao belo casal com a sua bebé. Eu não fui capaz. Com medo de quebrar  encanto.

Entre conversas comigo mesma

Enquanto nos entretemos entre provocações obtusas que não servem para nada a não ser para aborrecer, além de entreter alguns, o mundo vai definhando à nossa volta. Quando, finalmente, levantarmos os olhos dos insta-não-sei-quê em que inventamos a vida que gostávamos de ter, bajulamos os que têm (ou talvez não) a vida glamorosa que nos servem em bandejas de luxo e de lixo – seja nas fotos falsificadas a troco de uns dinheiros atirados aos falsificadores de serviço, seja vendendo os filhos a retalho desde o momento da concepção (lembras-te daquele colégio em que gostaste tanto de andar, ouvi uma influencer-barra-mãe-barra-viceversa-barra-tantofaz dizer, um dia qualquer, num telejornal) – quando emergirmos do nós podemos ser maus, mas vocês são bem piores, quando, finalmente, quisermos deixar de rosnar uns contra os outros e quisermos fazermos um esforço para colar o que sobra, não terá sobrado nada. Não deixámos que sobrasse. A liberdade devorou-nos sem darmos por isso, porque decidimos que a liberdade está ao nível da ignomínia. Pusemos a ciência ao nível da vigarice, exigindo provas suadas e herméticas à primeira e boa lábia redesocialgénica à segunda; consentimos na presunção de comparar a opinião ao insulto, a apologia do ódio à manifestação de um simples diferendo de vozes igualmente atendíveis, até chegarmos ao absurdo de vermos gente aparentemente decente hipotecar a decência a formalismos da treta, desde que isso permita manter – ou fingir – um certo distanciamento da histeria das massas. Se há uma multidão de gente a dizer que é horrendo, vamos dizer que não é nada, não vão os outros pensar que não temos cabeça, ou, pior, que como repudiámos este crime e não repudiámos aquele, seja qual for um e outro, somos uns incoerentes histéricos, no mínimo, e, portanto, o melhor é não repudiar nenhum; deixemos as coisas seguirem o seu rumo sem nos comprometermos com causa nenhuma, para não sermos acusados de não nos comprometermos com todas.

sábado, 24 de outubro de 2020

As faces do Universo

 

Photograph: Domcar C Lagto/ Pacific Press/ Zuma/ Rex/Shutterstock


“O estudo das galáxias revela uma ordem e uma beleza universais. Também nos mostra violência caótica numa escala nunca imaginada até agora. Que vivamos num Universo que permite a vida é notável. Que vivamos num que destrói galáxias e estrelas e mundos, também é notável. O Universo não parece ser nem benevolente nem hostil, apenas indiferente às preocupações de insignificantes criaturas como nós.”

 Carl Sagan, Cosmos

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

De outros Outubros e outros Outonos

 

A casa começa a aquecer-se em Outubro. Com lenha trazida do coração das fazendas que ainda resistem ao amanho laborioso da terra, à mercê das mãos quase despidas, à força dos braços velhos, teimosos, que escapam do tempo e se entregam à vontade dos dias que sobram.

É imprescindível que se comece em Outubro. A casa é grande, talhada de pedra, de suor, de risos e lágrimas, assente em memórias dos despojos de outros tempos, de outras vidas, em tábuas e aços de caminhos-de-ferro perdidos, desconhecidos da gente nova e miúda, não fossem as histórias aquecidas à lareira, em molduras de mármores maciços de igrejas velhas, escassas no divino e devido culto. Começa-se em Outubro, porque, até no Verão, o fresco do santuário pode ser inquieto e rude sem o aconchego de um xaile sobre as costas vergadas.

Em dias de maior labuta, há que dar lume também ao forno de lenha da serventia, lá fora, onde o vento rodopia embalado pelas folhas secas, em frufrus suaves como num vestido de gala. Cozem-se broas de milho recheadas de farrapos de bacalhau demolhado ou tiras finas de presunto pouco seco, consoante a ordem e a dimensão do pecado.

O forno range e estala reclamando a massa generosa, benzida numa cruz para remissão de males em que já ninguém acredita, mas ninguém quer renegar. Quando as entranhas devolverem o pão quente e estaladiço, o milho amarelo e guloso cozido entre silvos caprichosos e aromas hereges, será tempo de saciar a alma até ao Outubro seguinte.

Sobre Debates

 

Lá houve debate. Entre os dois candidatos ao cargo de Presidente dos EUA, quero dizer. Muito menos caótico do que o primeiro, o que não era muito difícil. Ou, se calhar, até era; nunca se sabe bem o que vai na cabeça bem (nem por isso) penteada e laqueada (de laca, sem outra maldade) do bulldozer narcísico, irado e vingativo que ocupa a Casa Branca, actualmente. Mas, enfim, conseguiu-se qualquer coisa de decente. O suficiente para os que precisavam de uma pequenina desculpa para não terem vergonha de dizer vêem?, o homem não é tão mau como o pintam poderem dizer vêem?, o homem não é tão mau como o pintam. Tal como aconteceu em 2016. Já os que são exactamente como ele, não precisam de desculpas. Nem de debates.

De resto, Trump foi Trump. Com ele é tudo beautiful people, great guys, sucesso tremendo e billions and billions de lucro, e com Biden é tudo ugly, terrible people, corrupção do piorio, negócios por esclarecer e billions and billions de prejuízo. Enfim, um homem cheio de si próprio, para não dizer uma asneira.

De qualquer forma, olha-se para aquilo e é como enfiar um punhado de areia na boca. A sério que os Democratas não conseguiram mesmo um candidato melhor para enfrentar a Besta

Ah, e também houve Abraham Lincoln. E Donald Trump é a pessoa menos racista, já não me lembro se do mundo, se do planeta. Não interessa nada, como tudo o que escrevi até agora. Quem quiser conclusões, veja o debate e tire as suas. Eu nem sou americana e, por cá, já temos problemas que chegue. E debates, também.

E, precisamente, por falar em debates. Depois do susto – ou do boato –, José Gomes Ferreira lá regressou ao “Negócios da Semana” com um tema que devia dar mais debates, mais programas de televisão e mais artigos de jornal: a corrupção. A estratégia de combate à corrupção. Tanta gente assustada com a possibilidade de haver uma tentativa de afastar outra voz incómoda para o regime e nem uma vírgula sobre o que ali se disse. Que eu tenha visto, pelo menos, mas tenho visto pouco, por estes dias. Ainda assim, com a bazuca pronta a disparar – e depois do momento corneto (dois para ti, três para mim e a vida sorri para alguns, os do costume) que foi a eleição para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional esperava uma comoção nacional generalizada. Mas não aconteceu nada que causasse espanto. Afinal, Portugal não é nada um país corrupto. Quem o afirma são só os populistas como a Ana Gomes. Os populistas como o André Ventura têm desculpa porque são anti-sistema.

E mais coisas, mas, de momento, não tenho tempo.

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

"Continuar a Ensinar", sem ceder nem ao medo nem à raiva.



Ciência, mas não só.

Ontem, ouvi parte da conversa entre Carlos Fiolhais e Vasco Trigo e Ann Druyan. Ia ouvir uma conversa sobre ciência e acabei (também) por ouvir histórias de amor. Muitas histórias de amor. Sem espanto, na verdade. Uma e outro (con)fundem-se várias vezes e de várias formas. É uma outra Química, e uma outra Física, em estado puro. Um desassossego em ebulição. E o "Cosmos" continua a ser uma Bíblia para alguns de nós. 


Somewhere, something incredible is waiting to be known.

For small creatures such as we the vastness is bearable only through love.

Carl Sagan


quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Sermões e Provocações

 

Há, em alguma gente, uma ousadia quase profana que me delicia. Uma provocação ostensiva e intencional, arrogante e sagaz, longe, muito longe, da imbecilidade boçal e medíocre da matilha bolsonarista e trumpista, que é a expressão maior da liberdade e que, por momentos, me faz sentir, até, uma certa inveja. Por não capaz de tamanha audácia.

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Não sei conjugar palavras e imagens com a elegância e harmonia que merecem ambas. Quando me atrevo a tentar, na maioria das vezes o mais que consigo é um embaraço. Quase sempre desnecessário entre dois maravilhosos mundos que, pela minha vontade, poucas vezes se encontram. Quanto mais belo for um, menos reclamo o outro.









 


As fotografias são daqui. Ou daqui, para ver as de outros anos.

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Terrorismo

 

Sei que foi há pouco mais de três anos, porque o escrevi num texto, e fui procurá-lo. O meu filho, com 10 anos, na altura, perguntou-me se a A. era terrorista. A A. é uma amiga muçulmana. Portuguesa e muçulmana.

Nessa altura, lembrei-me de José Saramago, “um pessimista assumido, mas não inteiramente incondicional”, como continuo a vê-lo, além de ser um dos meus escritores: “Se não formos capazes de viver inteiramente como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais” disse, um dia, Saramago.

A pergunta do meu filho veio na sequência dos atentados em Barcelona. Como habitualmente, a associação entre terroristas e muçulmanos é imediata. Como é – ou devia ser – óbvio, nem todos os terroristas são muçulmanos e nem todos os muçulmanos são terroristas. Foi por aí que comecei a tentar explicar-lhe o que não tem explicação. A não ser pelo ódio. E, esse, infelizmente ou felizmente, não escolhe idades, nem cores, nem credos, nem géneros. Mas escolhe uma raça: a nossa. A mais inteligente de todas e a que pode ser mais estúpida, também. Foi por isso que, naquele momento, também me lembrei da cegueira branca que Saramago ensaiou num dos mais belos e mais terríveis livros sobre as entranhas sombrias da nossa alma. Mesmo a mais pura. Do que seremos capazes, se nos virmos ameaçados na existência, a nossa, tal como a conhecemos?

Acredito que o facto de ter vivido num país muçulmano – embora relativamente liberal, para dizê-lo assim – me faça ser mais prudente e me reserve de não embarcar na teoria de que o Islão é uma religião de terror. Não por medo, mas porque, de facto, também conheci o outro lado. Um lado de que não comungo, que muitas vezes não entendo e de que continuo a não gostar, mas que está bastante longe de incitar ao terror e à morte dos infiéis. Todas as religiões têm o seu lado obscuro, à mercê da usurpação por fanáticos que pretendem apenas impor a sua vontade. Pela força, pelo medo, pela morte. Já tivemos a Inquisição. Nos EUA, neste preciso momento, há um bando de terroristas brancos, eventualmente tementes a um deus (um qualquer, suponho que para alguns propósitos seja totalmente indiferente), armados até aos dentes, às ordens do seu presidente – stand back and stand by, que ninguém esqueça, porque dia 3 de Novembro está aí à porta – e, no entanto, há gente séria, às direitas e altamente democrática, sem vergonha de apoiar um homem como Donald Trump. Um visionário, que só ainda não foi agraciado com o Nobel da Paz, porque o mundo está sequestrado por pedófilos, malfeitores e conspiracionistas (até teria graça, se o caso fosse para piadas), como nos alerta essa organização impoluta e pacifista que é o QAnon.

Mas, há de facto uma linha que é urgente traçar. O acto hediondo da decapitação de Samuel Paty, o professor francês cujo “crime” foi ter mostrado aos seus alunos caricaturas de Maomé, deve ser condenado por todos, a começar pela própria comunidade islâmica. Não pode haver lugar para garantias de respeito pela liberdade religiosa, ou outra qualquer liberdade, quando essa liberdade é instrumentalizada para impor uma vontade pela força e pela morte crua. E também não pode haver receio de chamar terrorista a um terrorista só porque esse terrorista é muçulmano, é cigano, é negro ou é branco, é mulher ou homem ou nenhum dos dois, azul às pintinhas, ou o que mais lhe aprouver. Não é a minha liberdade acaba onde a do outro começa: é a liberdade não poder ser um livre-trânsito para compreender e aceitar quem a utiliza para instalar, pela violência extrema e fútil, a sua agenda. Não sei qual é a melhor maneira de fazer isto, mas sei que estamos a perder a batalha. Nós, os que acreditamos nos valores democráticos e no Estado livre, igual, fraterno e laico. Em França e fora de França.

 

Naquela altura, há três anos, pela primeira vez, tentei – tentámos, o pai e eu – explicar ao meu filho a diferença entre terrorismo e religião; concretamente, entre terrorismo e Islão. E que a A. não é terrorista por ser muçulmana, evidentemente. Não muito tempo depois, levámo-lo a esse país onde vivemos, ainda ele não era vivo, como diz o próprio sobre o tempo antes do seu nascimento. Fizemos uma viagem maravilhosa. Abraçamos os amigos que ainda lá temos e, a esta distância, foi a melhor decisão que tomámos. Não sei quando voltaremos a sair, a correr mundo. Não sabemos o que teremos deixado de fazer por muito, muito tempo. Tentamos não perder demasiado. Não perder o que realmente importa. Ensinar-lhe, todos os dias, que, apesar de não compreendermos as opções dos outros, de não partilharmos da mesma opinião muitas vezes, não somos necessariamente inimigos. Mas ensiná-lo, também, que respeitar não significa submetermo-nos a ou abdicarmos de nós próprios, dos nossos hábitos, costumes ou crenças e muito menos significa viver no medo, embora, o medo faça parte da nossa vida. Nunca como hoje. E, isto, eu também já tinha escrito, pensando que não viveria outro pior

E que, nunca, nunca mesmo, podemos impor a nossa vontade pela intimidação bruta e criminosa. Mesmo que a nossa vontade parece a mais democrática das vontades.

 

Saramago também disse, O mundo é tão bonito e eu tenho tanta pena de morrer

Por falar em beleza, e em esperança, vi o documentário de David Attenborough. Se eu mandasse, como se diz, passava-o em todas as escolas. Pelo menos, em todas as escolas.

domingo, 18 de outubro de 2020

Tons de Outono


Gosto de me sentar naquela esplanada ampla. Sobretudo naquela. A ouvir o mar. Em dias calmos de Outono, o pontão de pedra gasta, esboroada, que se desenha num quadro, ao fundo, à minha esquerda, surge um pouco ao abandono. Espantosamente belo na sua solitude. Em dias assim, a água estremece levemente, num palpitar sereno, por um largo período de tempo. Generosamente iluminada, ainda. Uma pele suave, prateada, que ondula languidamente sob o imenso céu azul na sua soberba turquesa e nua, ameaçando incendiar-se ao final da tarde. 

Mas, em dias de mar agitado, as ondas crescem ao longe para virem explodir na rocha costeira, subindo vertiginosamente pela pequena torre do amarradouro antes de se projectarem, com estrondo, em estilhaços salgados, brancos de espuma, multi-direccionados, fulgurantes como raios de sol. Nesses dias, posso ouvir o queixume da rocha sob a inclemência da água, que, do outro lado, faz arrastar sobre a areia as suas ondas brancas, majestosas nos seus vestidos de folhos. Quando, ao chegar à praia vazia, se deixam tombar e desfalecem, desfazem-se das suas pregas perfeitas, esvaziando-se, apressadas, num crepitar morno e lamuriento. 

Também gosto do pontão em dias assim. De saudade imperfeita. Assombrado pela fúria caprichosa da intempérie que afasta os que não suportam os seus humores. 
Se não houver ninguém, posso roubar o tempo para mim. Suspensa de memórias que guardo, de palavras que li e ouvi e onde, por momentos, por acaso, me encontrei; num pedaço a que não pertenço, numa urgência que intuo e ao mesmo tempo rejeito, por achar que me confundo. Porque não sou tudo o que escrevo e não escrevo tudo o que sou. E, no entanto, é como se nada ficasse por dizer.
Também guardo silêncios. Também neles me encontro. Nos silêncios de que me faço. Em tons quentes de Outono. Os meus.



sábado, 17 de outubro de 2020

A vida à beira do abismo

 

As imagens que tantas vezes vemos de vidas desfeitas pela catástrofe – como a que há três anos transformou num inferno uma parte do país que ainda sangra – parecem-nos, à maioria de nós, creio, demasiado distante. Podemos comovermo-nos genuinamente com o sofrimento atroz de quem perde mais do que deveria ser permitido, se de permissão se tratasse, mover montanhas para ajudarmos no que nos for possível, mas, quem não vive na pele essa tragédia, verá sempre com algum distanciamento o que de mais terrível acontece aos outros. Não por falta de empatia, não por despudor, não por indiferença, não por ignomínia – mesmo sabendo que existe gente capaz de tudo isso –, mas por um certo entorpecimento emocional, subconsciente, até, sem o qual a vida se tornaria demasiado insuportável. Por não podermos acudir a todas as agruras. Por nem todos sermos capazes de abdicar do que temos – muito ou pouco – em função dos outros, dos que mais precisam e que, tantas vezes, apenas por acaso não estão no nosso lugar. Sei que parece o mais vazio dos chavões, mas tenho uma profunda admiração por quem é capaz de largar tudo e atirar-se de cabeça numa viagem aos confins da miséria humana para lamber feridas, dar colo, cuidar, tratar, amar, ajudar como pode os mais esquecidos dos mais esquecidos, como fazem alguns médicos, enfermeiros, professores, voluntários de estas e outras áreas, preocupados apenas em ajudar, em dar a mão.

Esta pandemia, que muitos ainda acham que é um capricho de massas em debandada histérica, se alguma coisa deixar de bom, será a de nos lembrar (não sei por quanto tempo depois de a vencermos – e vencê-la-emos, como já vencemos outras) como o nosso pequeno mundo vale bastante menos do que pensávamos; do que pensamos. As notícias que continuam a chegar sobre pessoas que, até Março, se sustentavam sem sobressaltos – pagar a renda, usar o seu automóvel, pagar a escola privada dos filhos, se assim o entendessem, programar férias, almoços, jantares, etc – e, de repente, se vêem obrigados a pedir ajuda a instituições de solidariedade, deixam uma sensação de vulnerabilidade bastante difícil de racionalizar. E não se trata de desvalorizar a pobreza sistémica que já nos devia envergonhar a todos antes de Março. Até aí, já Portugal tinha (não teve sempre?) um nível de pobreza insuportável que muitos de nós – onde me incluo – vão tentando amenizar, pelo menos em consciência, com a participação em campanhas de auxílio mais ou menos conhecidas. Do “Banco Alimentar” a outras iniciativas mais modestas, mas que fazem a diferença nos bairros mais pobres de que, cada um de nós, estará mais perto. Mas, agora, até quem tinha vidas mais ou menos organizadas – tal como aqueles a quem a desgraça bateu à porta, em diferentes “Pedrogãos”, aqui ou por esse mundo fora – se vê atirado para um abismo de onde não sabe como voltar. Podemos pensar como é possível, por que não tiveram a prudência de poupar em tempos de bonança, como a formiga da fábula de Esopo? Excepto que a vida não é uma fábula. E poucos terão imaginado a possibilidade de ficar sete meses impossibilitados de exercer a sua profissão. Há sectores de actividade que demorarão mais tempo a recuperar do que aquele de que as pessoas dispõem para sobreviver com o mínimo de dignidade.

Agora, que já nem os mais ingénuos acreditam no poder redentor da guerra que nos ia fazer a todos de bondade imaculada, que os pivots de televisão mais respeitados deixaram de nos ministrar sermões a diário (aleluia) e que a realidade voltou a lembrar-nos que continuamos a ser capazes do melhor e do pior e que isso não depende de sinais divinos na forma tentada nem de vírus nem de outras peçonhas, resta-nos a consciência da nossa fragilidade; e a de que não há tragédia nenhuma capaz de converter um imbecil convicto.


Entretanto, vá lá saber-se porquê, lembrei-me de ter ouvido ou lido qualquer coisa sobre este documentário. Não encontrei legendado em português (na verdade, não procurei muito), mas resolvi deixá-lo aqui assim mesmo.  Voltarei mais tarde, para corrigir, se for o caso.




E, ontem, comecei a ver o de David Attenborough, mas, estava tão cansada que não fui capaz de resistir e adormeci logo no início. Vou recuperá-lo hoje. Ouço-o sempre com imenso prazer, contagiada pela sua paixão pela Natureza e pela Vida.

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

O que eu gostava de ter escrito...

 ...sobre a "sugestão" fofa e não autoritária de António Costa, se tivesse competência para tal, o que não é o caso, como facilmente percebe quem por aqui se perde.

Acho que não devia transcrever o artigo completo, mas, precisamente por serem poucos os que tropeçam nisto, muito menos, a Susana Peralta, abençoo-me, e a ela, pelo artigo. E perdoo-me, até ao próximo pecado.

"Esta semana, o Governo entrou oficialmente em derrapagem com a ideia de nos obrigar a andar com uma aplicação de rastreamento de contactos no telefone. Esta medida é inútil, quase de certeza. E é perigosa, de certeza. Vamos por partes.

Será que a aplicação serve para alguma coisa? Segundo a evidência disponível, estas soluções têm efeitos duvidosos no controlo da pandemia. É o que afirma o artigo Automated and partly automated contact tracing: a systematic review to inform the control of COVID-19, publicado em agosto no The Lancet Digital Health por uma equipa da University College of London, partindo da análise de cerca de 4000 estudos, baseados em modelos matemáticos e na experiência de epidemias causadas por vários vírus, como o MERS, o Ébola ou o SARS. Isobel Braithwaite, uma das autoras do estudo, disse ao Financial Times que estas aplicações não são uma “silver bullet” contra a covid-19.

Por um lado, estas aplicações só são efetivas com a adesão da quase totalidade da população. Por outro lado, não dispensam a contratação de muitas equipas de rastreadores de contactos, ou seja, profissionais que contactam as pessoas assinaladas pela aplicação como potenciais contágios. Para além da eficácia duvidosa, a aplicação levanta problemas de equidade. Nem toda a gente tem smartphones, nem todos os smartphones têm espaço, baterias que duram todo o dia, ou sistemas operativos compatíveis com este tipo de aplicações. As populações mais vulneráveis, como os idosos, os sem-abrigo, ou os mais pobres, são os que mais provavelmente ficam de fora. Até pode ser que estes estudos internacionais não se apliquem à StayAway Covid e que ela seja espetacular a vários níveis. Como já lá vão uns meses, o Governo podia começar por nos dizer quantas pessoas descarregaram a app, quantos contactos foram rastreados com sucesso, quanto tempo ganhou relativamente ao rastreio manual, quantos surtos detetou graças à dita. O mínimo que se exigia era alguma ideia da eficácia da política antes de passar à versão draconiana.

Henrique Barros, presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e do Conselho Nacional de Saúde, disse ontem ao PÚBLICO que a ideia da obrigatoriedade da aplicação é autoritária e estúpida. Como alternativa, “pode-se aumentar o número de comboios, de autocarros, negociar horários de trabalho diferenciados, deixar ficar em casa quem pode ficar em casa.” No capítulo de coisas que o Governo pode fazer, tenho outras ideias. Das várias medidas que foram sendo anunciadas para os lares, que são os locais onde morre mais gente, em que ponto da implementação estamos? E com que resultados? Quantos técnicos de rastreamento de contactos foram contratados? E mais: já que estamos tão digitais, podíamos ter um portal com dados regionais ou municipais da situação pandémica para nos ajudar a tomar decisões informadas? Como está a capacidade dos cuidados intensivos em cada região do país? Para além do número de casos, que perfil etário têm os infetados, quantos casos graves, quantos hospitalizados?

Tudo isto custa dinheiro e dá trabalho. Já forçar a utilização de uma aplicação é mostrar obra, mas à nossa custa. O mesmo acontece com a decisão de impor máscara todo o dia às crianças nas escolas, outra medida de eficácia duvidosa que não foi adotada em muitos países europeus. A alternativa, que custava dinheiro e dava trabalho, era ter contratado mais professoras e utilizado espaços públicos desocupados para dar espaço à escola e permitir que a comunidade educativa vivesse com mais qualidade.

Vamos à parte do perigo. Descarreguei do site da Comissão Nacional de Proteção de Dados a deliberação 2020/277, do dia 29 de junho, referente à StayAway Covid. Afinal, o sistema é uma iniciativa do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Ciência e Tecnologia e do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Esperava que o Governo fosse o dono da iniciativa ou, no mínimo, estivessem disponíveis as condições do caderno de encargos ao abrigo do qual delegou nestas duas instituições o desenvolvimento da aplicação. Incluindo, se não for pedir muito, quanto pagou pela aplicação. Para me obrigar a instalar uma aplicação que regista potenciais contactos que tive, esperava menos leviandade.

Leviandade, disse ela? Na melhor das hipóteses. Na pior, um cheirinho a autoritarismo que não tem lugar na nossa democracia liberal. António Costa disse ontem ao PÚBLICO que sentiu que “era preciso haver um abanão”. Acontece que em democracia são os eleitores que dão abanões aos políticos, e não o contrário. Mais tarde, confrontado por jornalistas com o eventual caráter autoritário desta medida, explicou em declarações à SIC Notícias que é igualmente autoritário ter bares encerrados. Podemos discutir se faz sentido ter os bares encerrados. Mas não podemos confundir autoritarismo com o exercício normal da autoridade democrática do Governo. Esta aplicação regista potenciais contactos que tive e a obrigatoriedade da dita dá poder a polícias para espreitarem o meu telefone. Encerrar bares não faz nada disto.

A cereja no topo do bolo foi quando António Costa disse que “teremos de ser tão menos autoritários quanto mais as pessoas voluntariamente aderirem todas”. Esta frase atropela duas vezes a minha liberdade individual. Subordina o meu livre arbítrio à ideia moralizadora do “bom comportamento” do grupo. E, numa perspetiva mais prática, deixa claro que o resultado final será sempre o mesmo: voluntariamente ou à força, a StayAway acabará no meu telefone. Valha-me o Parlamento."

Susana Peralta, Stay Away Covid: será que António Costa perdeu a noção?, PÚBLICO


quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Posso usar máscara na rua

Contrariada, mas ainda posso. Mas não vou instalar aplicação nenhuma. Lamento muito, se pareço irresponsável, como me dizem. Já sei que o Google sabe praticamente tudo sobre mim, desde os sítios que visitei, às fotografias que tirei, aos quilómetros que fiz e mais uma quantidade de coisas que nem imagino. Mas, não...Peçam-nos para termos cuidado, para colaborarmos no esforço conjunto e etc, mas, não abusem.

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Textos inacabados


Sobre o assassínio de Ihor Homeniuk, às mãos – e, aparentemente, aos pés e bastonadas – de três inspectores do SEF sem tempo nem necessidade de ir ao ginásio. Bruno Sousa, Duarte Laja e Luís Silva, munidos daquela raiva animalesca que transforma homens em bestas porque sim, e porque não também, descarregaram todas as suas frustrações num homem manietado. Bater em gente que não tem como se defender, de preferência estando acompanhado pelos restantes elementos da matilha, eis como costumam gozar os mais cobardes entre os cobardes. 

Dizem as autoridades que Ihor reagiu mal às tentativas de o fazer entrar no avião que o levaria de regresso ao seu país e, como é sabido, há quem não goste de ser contrariado. Ihor Homeniuk foi brutalmente agredido: várias costelas partidas, hematomas na caixa torácica, no abdómen uma marca compatível com a sola de uma bota da tropa, preso durante horas com as calças pelo joelhos e cheiro a urina. A morte de Ihor começou por ser declarada “natural” e o mais que se lê no relato da investigação é de uma violência atroz. Como é que foi possível? Não chega haver demissões. É tudo demasiado escabroso.

Sobre o senhor professor doutor Francisco Aguilar e o seu repúdio pela "miopia moral da fêmea", de todas as fêmeas, principalmente, daquelas que ainda não superaram a "inveja do pénis" e, como tal, têm um "ódio genético" ao "privilegiado genético, isto é, o biologicamente privilegiado por Deus", isto é, o homem. Não sei que fêmeas e machos é que o senhor professor doutor conhece, mas, tudo isto teria imensa graça, não quisesse o senhor professor doutor ensinar coisas parecidas com aquelas às fêmeas e aos machos com quem tropeça lá nas aulas de Direito Penal, ou lá o que é. Quanto a inveja de pénis, o que me parece é que há machos que talvez não tenham sido assim tão biologicamente privilegiados por Deus e precisam de se entreter com qualquer outra coisa. Por exemplo, a escrever artigos para revistas científicas de "circulação estrita" (logo por azar, a circulação alargou-se) e elevada exigência, mesmo que a opinião expressa nesses artigos não seja para levar a sério

O escandaloso drama de tudo isto é o facto de Francisco Aguilar ser, de facto, professor na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa há décadas, ser responsável por "ensinar" e "avaliar" futuros profissionais na área e poder continuar a espalhar a sua "liberdade científica" se o caso não tivesse vindo parar à comunicação social. Os "arrependidos" de lhe terem dado cobertura só se arrependeram porque a coisa veio a público. Enquanto a liberdade do dito cujo se passeava apenas pelos corredores e pelos anfiteatros da Faculdade, estava tudo muitíssimo bem e, provavelmente, recomendava-se.


Sobre o professor francês, tatuadíssimo, que se viu impedido de ensinar crianças num jardim-de-infância, depois de os pais de um menino de 3 anos se queixarem de que o filho passara a ter pesadelos, impressionado com o aspecto de Sylvain Helaine. Nem sei bem o que pensar. Gosto de algumas tatuagens e gosto de ver gente tatuada. Alguma gente. As tatuagens são como os chapéus: podem ser magníficos e, no entanto, um absoluto desastre em algumas cabeças; o que não deve impedir ninguém de os usar, obviamente. O mesmo se aplica às tatuagens. Só ainda não me atrevi, porque tenho uma irracional e quase histérica aversão a agulhas. Quando preciso de fazer análises de sangue, só não choro porque já não tenho idade. Mas, como se diz, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. O professor há-de ser competentíssimo e simpatiquíssimo e todos os outros superlativos adequados e fofos de que nos possamos lembrar, e ninguém poderá dizer que não entende o susto do menino de 3 anos.


Sobre a miúda que quase atropelei, há pouco mais de uma semana. Uns 15 ou 16 anos. Não calhou. Valeram-nos os anjos da guarda, o meu e o dela, eventualmente os meus 30 anos de experiência de condução, cá dentro e lá fora, o facto de não haver ninguém atrás de mim nem ao meu lado, nem dentro do carro, nem fora do carro e aquilo a que, alguns, chamarão destino. Não era o dia. E, tudo isto porquê? Porque o semáforo estava aberto para mim e a miúda, de headphones bem colocados e sem deixar de olhar para o telemóvel, resolveu sair do passeio, bruscamente, e atravessar-me na minha frente. Ainda não sei como o carro parou onde parou, a menos de nada da coxa dela. Depois do susto de ambas, do alívio de ambas, apeteceu-me dar-lhe um puxão de orelhas, obrigá-la a entrar no carro e levá-la, em segurança, lá para onde quer que fosse que ela fosse. E tudo isto a propósito do limite entre a irreverência e a palermice pura. É que já me parece palermice pura aquela defesa da liberdade dos que querem viver a covid como lhes apetece. Eu também acho que cada um deve viver como lhe apetece. Morrer como nos apetece; sobretudo, morrer como nos apetece, já que, viver, não nos perguntaram se queríamos. Simplesmente, tenham algum dó de quem estiver ao volante, nesse momento de libertação.


E o nosso Berardo. Outro magnífico exemplar que a pátria pariu com a ajuda de uns quantos, quase sempre os mesmos, que nada tem de seu, muito menos dívidas. Parece que está a construir uma obra sem ter licença de construção para essa mesma obra. Deve ser mais ou menos o mesmo método que usou para ampliar a casa-de-banho com vista para o Palácio das Necessidades (parece piada, não é?), que o tribunal já ordenou que fosse demolida, por ser ilegal, mas que continua de pé.


E mais coisas, mas, de momento, não tenho mais tempo. Até escrevi aqui, directamente, em não em word, primeiro, como é meu hábito.

domingo, 11 de outubro de 2020

O Estado são eles.

 

Ninguém sai bem nos retratos da tomada de posse relâmpago do novo presidente do Tribunal de Contas, e também tenho qualquer coisa a dizer sobre o assunto: António Costa pode jurar a pés juntos que não quis calar vozes críticas e incómodas, com a mesma frescura saloia com que fingiu apoiar o presidente do Benfica, como adepto e não como primeiro-ministro, que ninguém acredita na mesma; Marcelo Rebelo de Sousa pode garantir nunca ter tido dúvidas quanto à limitação de mandatos e, portanto, quanto à substituição de Vítor Caldeira, que já toda a gente percebeu por que sentiu, entretanto, necessidade de se multiplicar em explicações; e Rui Rio, bom, Rui Rio continua amarrado a uma estratégia de não se deve bater no ceguinho, o que seria, não contem com ele para política do bota-abaixo, e o ceguinho agradece e lá vai aproveitando a boa-vontade dos outros para melhor impor a sua.

Como duvido bastante da ingenuidade que não abunda nos corredores e nos bastidores da política, parece-me que isto está mesmo tudo ligado, que é como quem diz, ora agora mando eu com a vossa bênção e, quando mandarem vossas excelências, corro a cobrar o dízimo, ou o que lhe queiram chamar desde que não me estraguem o pote.

E podia falar disto tudo de uma forma mais séria, mas, já não há paciência.

Podemos atirar as culpas para esquerda, para os comunistas, para os socialistas, para os discípulos de Sócrates – e saberá deus, se existir, o que me enerva a retórica do “inocente até prova em contrário” aplicada àquele senhor –, mas, se Portugal continua como a pocilga privada e de luxo de uns quantos é porque esses quantos se espalham como um cancro por todos os quadrantes políticos, onde se jura combater, enquanto oposição, o que nunca se deixa por fazer enquanto governo; em estado puro ou em coligações mais à medida dos partidos do que do país. É o agarrem-me se não eu faço ou não faço, dependendo do que mais me convier quando chegar a minha vez. Não sei bem como é que quebramos o ciclo, mas não há-de ser rosnando uns contra os outros, sim, nós somos maus, mas vocês são muito piores. E há um certo elogio a uma certa direita a que acho sempre uma certa graça.

Faz falta, no entanto, uma oposição séria. E, nessa oposição, uma direita não maledicente – como Rio não quer, de maneira nenhuma, cruz credo – mas que seja enérgica, crítica, responsável, que se imponha como alternativa decente e não como adoradora de protótipos fascistas. Se a extrama-esquerda anda obcecada com o politicamente correcto e com as críticas a Trump, Bolsanaro e os cachorrinhos de ambos, mais a coelhinha Acácia do outro, a extrema-direita anda fascinada com o atropelo às regras que sustentam a civilidade. De repente, no combate político, é aceitável usar de todos os insultos, de todas as ofensas, de todas as mentiras, de todas provocações escabrosas para chegar ao poder. E, se tudo isso não bastar, é aceitável que um presidente incite à violência entre os seus concidadãos. Afinal, a democracia não é o nosso objectivo, não é? Aparentemente, a democracia não é o objectivo de nenhuma das partes, mas, os que defendem o método-trump, querem fazer os outros crer que têm uma visão mais clara, uma leitura mais avisada e mais objectiva dos factos do que aqueles que abominam tudo o que Trump representa. É nisto que estamos.

Entretanto, estive a ver as 20 fotografias da semana do The Guardian. Reacendeu-se o conflito Nagorno-Karabakh e há, por isso, mais uma guerra aberta a colher vítimas, a esmagar vidas. E sonhos. Pergunto-me como se pode sonhar rodeado de escombros e penso na minha própria insignificância. Alguma vez eu seria capaz de defender assim a minha casa? Alguma vez o meu filho encontraria esperança numa escola resgatada dos destroços pela vontade dos que recusam baixar os braços e desistir? Sei lá do que falo, quando falo de guerra...


Celestino Arce Lavin/Zuma/Rex/Shutterstock


Ahmad Al-Basha/AFP/Getty Image



Mas, sim, há que acreditar. Viver com algum sentido de humildade, consciente da ténue linha que separa a sorte do azar, a claridade do abismo. É esse equilíbrio que tento. Lembrar-me, e ao meu filho, que a dignidade do outro nunca pode ser menos do que a nossa, mesmo em cantos opostos do mundo, mesmo não dispondo da mesma liberdade, nem dos mesmos privilégios. E que todos temos o mesmo direito de sonhar e de lutar por uma vida melhor.

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Sobre vírus e sobre curas

 

Donald Trump ensaiou o maior logro da História contemporânea. Após o desastre que foi aquele não-debate presidencial, Trump precisava de uma manobra de diversão que o fizesse ressuscitar da toca em que se enfiara depois de instigar os seus cães de caça contra todos os que vierem a ousar exercer o seu direito de voto contra si e depois de lhes ter ordenado que se mantenham a postos para a rebelião armada que o próprio alimenta todos os dias desde que foi eleito. Para o efeito bombástico pretendido – e duramente criticado pela miserável gestão da pandemia – restava-lhe um milagre de falsete; igual a si próprio, portanto. Assim, fingiu ter sido atacado pela doença do século e fingiu ter-se curado por obra e graça da ciência que despreza, com a cumplicidade de uma equipa médica sequestrada pela fanfarronice daninha do presidente. Curadíssimo da maleita que nunca teve, promete aos enfermos que hão-de vir remédio mais consensual do que luzes tremendas e chás de lixívia e rejeita categoricamente debates virtuais com o homem a quem odeia quase tanto como a Obama. Percebe-se. Se Biden recusar, pode acusá-lo de ser um cobarde. Se Biden aceitar, lamentará não poder infectá-lo, mas terá conseguido mais um espectáculo à sua imagem. É tudo quanto lhe interessa: safar-se a qualquer a qualquer custo, mesmo que, para isso, queime tudo à sua passagem. Não é a América que ele quer grande outra vez: é o seu império, o seu mundo, os seus bonecos de palha, encerados e reluzentes como troféus.

Esta é a minha versão dos factos. Alternativa, como mandam as novas regras. É insano, bem sei. Mas estamos em 2020, o ano de todas as pestilências...

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Celebrações

 

Celebraram-se os 110 anos da implantação da República Portuguesa. Como habitualmente, teceram-se elogios e teceram-se críticas e a data foi assinalada com a pomposa anormalidade, já que este ano nada é normal. Nem a pompa, nem a circunstância. Nem o tempo. Não sei se serei a única a quem estes últimos meses parecem décadas, um atropelo de acontecimentos e estados de alma que há que gerir com pinças, além das máscaras, antes que o equilíbrio que vamos tentando nos esborrache como mosquitos. Adiante.

Os monárquicos que criticam os que criticam a monarquia apontam o dedo aos mesmos vícios que os republicanos (não os da variante trumpesina, que esses são uma mutação genética que ainda carece de explicação científica, social e etc) vêem na manutenção de um regime de Suas Altezas Reais: servem ambos burguesias instaladas, com a única diferença de que, pelo menos, a Realeza tem uma coisa que se chama berço, ou lá o que é. Ou, como me dizia há uns anos um amigo espanhol, sim, nós temos que suportar, com os nossos impostos, uma família real inteira, incluindo descendentes e animais de estimação, mas, vocês, portugueses, suportam coisa idêntica, nas regalias vitalícias de todos os Presidentes da vossa República, e talvez o saldo não seja muito melhor. Mais ou menos isto. É possível, sim; mas, pelo menos, somos nós, como povo, que os elegemos e os demitimos, os presidentes, pelo nossa vontade e direito de voto. Se não o fazemos bem, isso já é outra coisa, e é uma coisa que urge mudar para (muito) melhor, é outro facto.

Entre as arrelias do momento, a direita acusa a esquerda – e o PS em particular – de usar o Estado para servir os seus interesses pessoais e políticos. Infelizmente, os jobs criados para os boys, a família e os amigos que enchem o círculo político não são práticas exclusivas da esquerda ou do PS, antes de uma forma medíocre e generalizada de estar na política portuguesa: alterna-se o poder, alteram-se os jobs e alternam-se os boys, mas o fedor permanece. Isso nota-se mais nos governos de esquerda do que nos governos de direita? Dizem que sim, e é provável. Mas não fiz as contas. Não me apeteceu, ainda; ando há muito de costas voltadas ao poder político e, apesar de saber o perigo – a injustiça, até…eventualmente... – em que se incorre ao afirmar que eles são todos iguais, na verdade, se fossem substancialmente diferentes, não haveria Marquês, não haveria BES, não haveria Lux, nem outras operações de regeneração dos poderes da política, da democracia e da justiça, fingindo que não se tinha, até aí, dado por nada, nem à direita nem à esquerda. É verdade, o caso de Sócrates é o mais obsceno (é?; entre o Marquês e o Lux, venho o diabo do senhor Salgado e escolha). Por quase tudo e por mais alguma coisa, como essa que nos obriga à presunção de admitir que é possível o primeiro-ministro de um país ter um amigo como Santos Silva, muito rico e muito abnegado, e uma mãe como a dona Adelaide, herdeira de fortunas e prédios e andares, dona de cofres generosos no acto de (en)cobrir as despesas de um filho esbanjador, que não tem nada de seu porque não precisa, que o homem nem é de luxos. Ámen, bando de crentes, que a justiça ainda não disse de sua justiça.

Mas, estava na diferença entre monarquia e república, entre a direita e a esquerda, não necessariamente por esta ordem, nem respectivamente, afinal, já li que o ideal monárquico tem colhido adeptos dos mais estranhos quadrantes (a sério?), e há monárquicos convictos (ou assim-assim) em "cargos políticos de topo" na nossa república. Ninguém pode servir a dois senhores, mas, figurativamente por figurativamente, talvez se possa servir a duas senhoras. E eu gosto da Cecília Meireles. Mais do que gosto de Paulo Portas.

A nossa miserável sorte é que, da esquerda à direita, a melhor nata da política nacional, passando, ainda, pela banca e pela fina flor da advocacia, parece ter sempre uma mancha de carácter. E, também por cá, caminhamos para um extremar de posições que inquinam qualquer tentativa de discussão séria. Quando o que mais precisávamos – na hora de apontar a tal bazuca – era de um governo rigorosamente alinhado com o interesse público e de uma oposição atenta e competente no seu dever de intervenção política e de escrutínio disso a que chamam de acção governativa, entretemo-nos em lutas na lama.

E isto tudo a propósito da notícia da não recondução no cargo do presidente do Tribunal de Contas, no seguimento do parecer daquele órgão sobre as alterações à lei contratação pública. Não é assim que é dito, mas é o que parece. Tendo em conta o que já fomos capazes de esbanjar, para não usar piores termos, e os maus exemplos que vão enchendo páginas de notícias sem que nada de substancial mude, as preocupações de quem vê nisto uma ameaça de "assalto aos fundos europeus" podem não estar alienadas da realidade. Infelizmente. Entre tralhas que guardo, algumas são revistas que, por este ou aquele motivo, insisto em manter nas gavetas. Ou é a cor, ou o cheiro, ou o crepitar das folhas, ou uma memória que me interrompeu. Ou a indignação que sobra quando se vê do que alguns são capazes, sobre os escombros da vida dos outros. Sim, num país em que houve gente a usar a solidariedade e a generosidade que embalaram, em lágrimas, a tragédia de Pedrogão, para recuperar barracos há anos em ruínas, falsificando moradas com o maior despudor, todos os cuidados são poucos, no que toca à gestão do dinheiro que há sempre quem julgue que cai do céu. Cairá para alguns, de facto.

E, já que estou nisto, António Barreto falava, ontem, no PÚBLICO, sobre "corrupção e legitimidade democrática", e, aí, ia dizendo que "os portugueses são complacentes com a corrupção, mesmo quando não a praticam". Estou de acordo. Noutras coisas, já concordo menos, nomeadamente, que seja "perfeitamente possível que uma determinada ditadura tenha menos corrupção do que uma democracia", a não ser no âmbito de um exercício teórico, que foi o que ali se fez. E da lista de coisas que fazem com que o nosso país seja particularmente corrupto, elejo a ineficácia da justiça. A estrondosa ineficácia da justiça, que permite a sensação de prazenteira impunidade aos maiores prevaricadores.


De resto, foi um dia novo normal, como os últimos. Excepto que já me vesti de Outono. Disse que gosto das mudanças de estação e que até já me reconciliei com o Verão, mas podia viver um ano inteiro de outonos, em serenos sobressaltos, como no poema de António Gedeão, de quem me lembrei, não sei se por ser também dia dos professores, ou pelas aves que gritam, à minha janela, sobre uma tela perfeita de nuvens cinzentas. Como aquela pedra, ali.

Eles não sabem que o sonho

é uma constante da vida

tão concreta e definida

como outra coisa qualquer,

como esta pedra cinzenta

em que me sento e descanso,

como este ribeiro manso

em serenos sobressaltos,

como estes pinheiros altos

que em verde e oiro se agitam,

como estas aves que gritam

em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho

é vinho, é espuma, é fermento,

bichinho álacre e sedento,

de focinho pontiagudo,

que fossa através de tudo

num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho

é tela, é cor, é pincel,

base, fuste, capitel,

arco em ogiva, vitral,

pináculo de catedral,

contraponto, sinfonia,

máscara grega, magia,

que é retorta de alquimista,

mapa do mundo distante,

rosa-dos-ventos, Infante,

caravela quinhentista,

que é Cabo da Boa Esperança,

ouro, canela, marfim,

florete de espadachim,

bastidor, passo de dança,

Colombina e Arlequim,

passarola voadora,

pára-raios, locomotiva,

barco de proa festiva,

alto-forno, geradora,

cisão do átomo, radar,

ultra-som, televisão,

desembarque em foguetão

na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,

que o sonho comanda a vida.

Que sempre que um homem sonha

o mundo pula e avança

como bola colorida

entre as mãos de uma criança.

sábado, 3 de outubro de 2020

Marta Pereira da Costa

 


Ainda o Quino e a sua Mafalda

 


Hoje li uma simpática homenagem ao criador da Mafalda. Entre outras coisas, um leitor do PÚBLICO dizia que alguns dos livros da Mafalda de Joaquim Salvador Lavado Tejón deveriam fazer parte do Plano Nacional de Leitura, e a sugestão pareceu-me muito pouco absurda.

Não sei bem quando é que me cruzei com a Mafalda. Quando dei por ela, já andava a copiar as minhas tiras preferidas (desenho pessimamente, mas copio desenhos alheios, alguns desenhos alheios, com alguma competência; mínima, jamais poderia tornar-me uma perigosíssima falsificadora, infelizmente, porque, se fosse o caso, pelo menos podia copiar-me as obras de que mais gosto e não tenho como adquirir legitimamente…bolas!), a colori-las, a plastificá-las e a usá-las como marcadores de livros. Não saberia explicar o ritual, ainda que tal coisa fosse necessária, e não é. Excepto que sempre fui uma leitora compulsiva, continuo a gostar de marcadores de livros e aquele tempo que passava a copiar os desenhos de Quino, a rir-me com a Mafalda e os amigos, entre críticas corrosivas e manifestos sociais e políticos, suspensa de mim mesma e do mundo dela, eram uma espécie de terapia em alguns dias demasiados compridos, principalmente no Verão de que me cansava rapidamente. Actualmente vivemos em saudável e cordial harmonia, eu e o Verão, mas não foi sempre assim e, além disso, gosto muito das mudanças de estação; embora essas mudanças se diluam já bastante entre os caprichos do tempo que também moldamos, trazem-me sempre uma vontade renovada, um hálito fresco que me alimenta.

Há sempre gente que vive muito para além do tempo que por cá passa. Muitos deles, felizmente, pelos melhores motivos. Será o caso de Quino, para muitos de nós. Já a Mafalda habita, ainda, em cada acto de rebeldia, em cada dedo em riste apontado a todos os atropelos com que esbarramos pelo caminho, e assim permanecerá por mais anos; eventualmente, contra a vontade do seu criador que esperaria poder chegar a ver um mundo melhor. Muito melhor. Um mundo em que os canalhas continuassem confinados às suas tocas porque um mínimo de decência generalizada os impediria de zurrar, menos ainda, em horário nobre e, principalmente, ver-se-iam incapacitados de adulterar, descaradamente, as regras democráticas, subjugando-as à sua vilania, assessorados por uma turba de maníacos sem escrúpulos, que já nem precisam de fingir uma gota que seja de decoro moral, uma qualquer sombra de lisura.

A Mafalda está mais viva do que nunca. E, sim, isso é desolador. Mas, enquanto não a perdermos, sobra qualquer coisa de esperança.